1º Dia do Último Ano de Nossas Vidas

Hoje poderia ser um dia como outro qualquer não fosse o primeiro dia do último ano de nossas vidas. Ainda assim, apesar da iminência dos fatos, nenhuma carga emocionalmente forte flertou com meu espírito. Mas se por um lado a emoção permaneceu em sua languidez profunda, do outro, a razão mergulhou no abismo de cálculos à planejar o fim. E embora as equações tenham tomado a maior parte do tempo desse primeiro dia, em alguns fragmentos dele sorri ao lembrar do meu amor; sorri ao lembrar que não estarei só e não estar só é tudo que eu preciso para ir até o fim e em paz. Com ela o caminho não será sombrio e o final certamente será feliz.

Este dia, apocalipticamente especial, não poderia deixar de ser comemorado e aproveitado em sua plenitude. E assim, nesse estado de movimento inerte em que entrou nossas vidas, saímos para brindar o primeiro dia do último ano que nos resta.

30 de abril de 2012.

Comentários